No meio de tudo… o novo

•junho 18, 2009 • 1 Comentário

Estou muito feliz com uma oportunidade muito legal que me apareceu: ser repórter!

Gosto muito de escrever e trabalhar com isso está sendo maravilhoso, por isso tenho dado um tempinho aqui no blog, além é claro de viver sempre ocupada com os estudos da faculdade.

Criei um outro blog Ao Caso, com o objetivo de falar mais detalhadamente sobre essa experiencia nova.

Continuem lendo!

Abs

E no meio de tudo… a invasão

•março 23, 2009 • 1 Comentário

Estava assistindo BBB [sim, eu assisto… as férias me prenderam a isso!], e nesse domingo foi ao ar uma discussão entre o ‘casal’ Fran e Max.
Assisto ao BBB desde que isso existe, e hoje caiu a ficha do que é aquilo!
Sabe quando a gente sente um estranhamento a algo é totalmente naturalizado? Eu senti hoje assistindo BBB.
Não sei se estão conseguindo me acompanhar, eu ando meio confusa, mas vamos por partes…

1. Existe algumas coisas no nosso cotidiano que foram totalmente construidas, e falo de hábitos. Hábitos que foram se introduzindo na nossa vida aos poucos e que hoje não conseguimos nos imaginar sem eles, a ponto de acreditar que sempre existiram. Então, eu sempre tento manter um certo estranhamento a essas coisas, tentar lembrar de como era a vida antes da internet em casa todos os dias, a qualquer hora. Lembro das esperas até meia noite quando o pulso da ligação era mais barato. Daí, você me pergunta, pra que faço isso? Não sei.

2. Continuando meu raciocínio, o BBB é uma dessas inovações. Desde quando é normal ficar assistindo um grupo de pessoas morando em uma casa, fazendo o que todo mundo faz. Qual é a graça de assistir alguém tomando banho de piscina, ou cantando no chuveiro? Toda! [Não quero entrar numa discussão sociológica, nem psicológica sobre o assunto – que numa outra oportunidade eu o farei..rsrs] Mas o que quero dizer é que hoje ao assistir a discussão deles, me dei conta do que estava fazendo, na verdade, do que estava acontecendo. As pessoas em casa assistindo a isso, algumas se compadecendo da Fran, se identificando com o caso em que o homem não a protege, não a defende, e o Max por seu lado tentando explicar como não acha justo tomar partido por algo que não é com ele. Acredito que de fato, ambos estão certos e partilham de um descontentamento quanto ao relacionamento e pronto. Porém, como numa novela, as pessoas tendem a ver em um o vilão, e na outra a mocinha, ao som de ‘If I were a boy’, tema que a princípio não entendia a relação com a situação deles, mas que agora parece se encaixar tão bem, como numa trama das oito.

3. Eu me senti invadindo uma conversa que não era da minha conta. Afinal, eles são de verdade! Talvez isso faça toda a diferença pro público, e principalmente para as ‘brilhantes cabeças’ por trás desse brilhante programa. Não estou fazendo apologia a invasão de privacidade, nem a alienação das massas. Mas tenho que admitir a inteligência por de trás das câmeras.!

No meio de tudo… a esperança

•março 19, 2009 • Deixe um comentário

Sabe aqueles amigos que a gente tem que dificilmente paramos para uma conversa sobre algo mais profundo? Tenho muitos assim, e nao sei se um dia terei esse tipo de conversa com eles.  Mas existe outro tipo de amigo… aqueles que quase nao se encontra, mas toda oportunidade de conversa, se torna algo totalmente relevante pra vida… rs*

Ta, exagerei um pouco.

Outro dia estava na igreja, e uma ‘amiga’ – *parenteses* Eu a conheço ha uns oito anos, quando era mais nova eramos otimas amigas, nos afastamos pq mudei de igreja e agora nos encontramos de novo, mas ela tava namorando um carinha que nao dava muito espaço, e nunca tive oportunidade para conversar c ela de novo.. ate *fecha parenteses* passou, e disse: ‘Nossa, vc esta tao bonita! Acho que e sua pele..rs*’ E ela respondeu: ‘Eh q to apaixonada’ E começou a falar sobre o novo namorado dela, como  eh legal, e disse que com o ultimo namorado ela se sentia incompleta, e tals e disse: ‘Lembra de tudo aquilo que falavamos que queriamos em um cara? Entao, havia perdido as esperanças de encontrar um assim, mas encontrei!’

Lembrei da cena final do filme Ensaio sobre a cegueira, quando a primeira pessoa volta a enxergar, todos comemoravam! Nao apenas pela alegria do outro, mas por acreditarem que aquilo logo, logo aconteceria com eles.

Foi mais ou menos assim.

No meio de tudo… o ovo.

•fevereiro 19, 2009 • 2 Comentários

Pois eh… hoje eu tive que fazer uma das coisas que eu mais detesto – ir na padaria.

Fui comprar ovo – e descobri que ele custa R$0,30 cada!!!

Eu era do tempo em que com um real se comprava 10 ovos!

Indignada com o roubo, vim pela rua pensando… a gente só fica indignado com alguma coisa quando essa coisa nos afeta diretamente.

Ninguém consegue sentir a dor do outro,  ou a alegria do outro tão intensa como se fosse sua.

Se alguém viesse reclamar comigo do preço do ovo, eu nem ligaria, até o momento em que percebesse que isso me afetaria de algum modo.

Outro dia estava conversando com meu pai a respeito do ProUni – recentemente uma menina lá da igreja conseguiu uma bolsa de 100% e ele estava defendendo veementemente essa medida do governo.

Daí, fui explicar pra ele que esse era um tema de grande controvérsia no meio acadêmico. E ele n acreditou que alguém poderia ser contra isso, eu calmamente expliquei que muitas pessoas reclamam que a ‘verba’ que poderia ser investida na melhoria do ensino básico, ou na expansão das universidade públicas, no final das contas acabam em bolsos de empresas ‘privadas’.

Ele disse: ‘Você discute isso porque não foi você que ganhou a bolsa, pq se tivesse estaria dando graças a Deus por isso’

Esse tipo de assunto é sempre tão polêmico, porque é preciso ter em mente o individual e o coletivo. Pensando individualmente, é claro que o ProUni é legal, mas pensando numa dimensão maior, é prejudicial…

E tudo isso por causa do ovo!

No meio de tudo… selo

•fevereiro 15, 2009 • 1 Comentário

Eu recebi um selinho!

Não… não tô falando de beijo.

Estou falando disso:

"Olha que blog maneiro!"

"Olha que blog maneiro!"

Eis as regras:

1. Exiba a imagem do selo “Olha Que Blog Maneiro” que você acabou de ganhar

2. Poste o link do blog que te indicou.

3. Indique 10 blogs de sua preferência.

4. Avise seus indicados.

5. Publique as regras.

6. Confira se os blogs indicados repassaram o selo e as regras.

7. Envie sua foto ou de um(a) amigo(a) para olhaquemaneiro@gmail.com juntamente com os 10 links dos blogs indicados para verificação.

Vamos por partes que a parada é a manivela ainda…

1. A imagem taí né? Todo mundo viu?? Alguém tem dúvidas quanto a isso? … Não? Então: Feito.

2. Link do blog de quem me deu: http://www.espaco-nerd.blogspot.com

3. Pow!! 10 blogs de minha preferência? Hmmm Vou ter que colocar só sete.. depois escolho mais três ok?

www.cariocauniversal.blogspot.com

www.receioderemorso.wordpress.com

www.inutilidadesdavidaprivada.wordpress.com

www.propagandasantigas.blogspot.com

www.clubedoargumento.blogspot.com

www.seeutivesseumblog.blospot.com

www.templodaintrospeccao.blogspot.com/

Bom, as outras regras.. eu farei, eu prometo!
Kisses for all!

No meio de tudo… a irritação!

•fevereiro 14, 2009 • 2 Comentários

Sabe aqueles dias em que tudo te irrita?

Irrita ficar em casa num sábado a noite, quando parece que a vida está acontecendo e você está em casa.

Irrita ligar a TV, mesmo que seja  TV a cabo, e não ter nada de bom passando.

Irrita pegar o livro na página em que parou e ver que essa história já tá enchendo.

Irrita pensar em tudo que tem pra resolver e não pode fazê-lo agora.

Irrita saber que apesar de ser tão legal, inteligente e razoavelmente bonita, eu não tenho um par.

Irrita dar tanta importância a isso às vezes.

Irrita ver o orkut dos outros, em que todos parecem estar com ótimos empregos, ótimos salários, ótimas faculdades, e ótimas companhias, mesmo que isso seja fake.

Irrita a vontade de comer alguma coisa gostosa, que não tenho ideia do que seja.

Irrita o papinho chato de msn.

E principalmente, irrita saber que tudo isso amanhã passa.

No meio de tudo… complexidade

•fevereiro 12, 2009 • 6 Comentários

Complicar às vezes é mais fácil do que descomplicar. E eu acho que meu cerebro já funciona assim.

Eu sempre aprendo pelos métodos mais chatos, longos e difíceis. As coisas simples não entram. E não adianta forçar.

Quando me deram o código de aluno lá na auto-escola eu logo tentei memorizá-lo, e pra isso eu tentei associá-lo com algo que eu não esqueço. O código é 789 – e eu pensei: “Sete é o número que me acompanha desde sempre nas chamadas da escola, e 89 é o ano em que nasci”. Beleza.!

Dias atrás percebi que 789 é uma sequência.

Meu mundo caiu! Como assim? Eu levei horas pra conseguir memorizá-lo assim…

Fazer o quê?

Eu complico.